quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

kitsch net


Você vem,eu te largo e todos os momentos tive o mesmo prazer de ver a cena da derrota em seus quadros.

Eu toco e você desenha o traço que dá a passagem do infinito, do nosso romance vagabundo que nunca dá em nada e que sempre alguém tenta se jogar pela janela.

Queria ser amado, sabe? Não visto como um perfil erotizado, pelas mandíbulas da tua imaginação.


Está inquieta, você aguarda um pai. Não desejas um homem. Nem em pensamento.

Tem xeque-mate na estória. Você me ignora. Eu sou apenas um garoto nesse momento.

A tua palavra me persegue, a tua voz é pleonasma.

Não sei se é musa, mas, a obcessão a transformou nisso. A obcessão transforma tudo em paixão.

Só estou falando das minhas dores, do meu jogo.

Me transformastes em um apartamento, com saída para as escadas de incêndio.

12 comentários:

  1. só quem deseja retratar um riso timido na primeira capa de um jornal, sentindo o cheiro de sexo que exalam pelos barracos na palafita da principe de gales pode universalizar com sentimentos as dores que criamos... (que são apenas para mundo...)

    ResponderExcluir
  2. sempre o 13 aparecendo... (odio)

    ResponderExcluir
  3. as vezes penso que vc lê minha alma e a minha história está na pontas dos seus dedos. vai dizer que não fala de mim nesse escrito? rs

    os anônimos aqui me caçam e desejam me matar.
    e o amor acaba Alice, você me entende quando eu digo isso? escuta o barulho do meu coração sumindo daí?


    esse blog me maltrata também, mas é nossa função sofrer pra ser o circo dessa gente né?

    ResponderExcluir
  4. ciumes condena-se.
    amor não se esconde.

    ResponderExcluir
  5. quem faz da vida uma poesia de rimas para versos, esperando aplausos, esquece de rimar para a vida, fazendo de toda erudição a melancolia que nem o interior se faz a melodia. fidelidade no amor não é saber que aquele corpo sera seu até o putrefecer dos seus dias... mas sim em qual dia ele vai querer ser putrefecido nos dias que lhe restam as felicitações de seu amado.

    questao de escolhas, questao de tempo.
    as despedidas não precisam de aplausos, choro, ou musica de fundo. Apenas um gesto de quem não tem medo de deixar um pouco de si para tras.

    ResponderExcluir
  6. Comentários de conteúdo tão imbecil... Vou proibit anonimos nessa porra. Concorda comigo, Alice?

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Ah, tá muito dor de corno isso aqui, muito fala que eu te escuto! qual o tel do cvv mesmo?

    ResponderExcluir
  9. tô adorando esse palanque emocional.
    ROUND ONE! FIGHT!
    hahahaha
    GATA LISTRADA, O PEDRO DE LARA TEM UM RECADO PRA VOCÊ, JÁ VIU?

    ResponderExcluir
  10. democracia chinesa na internet... rs
    dois ouvidos e uma boca = falar menos e ouvir mais

    ResponderExcluir
  11. anonimato na internet = gente tosca querendo se meter na vida alheia.

    ResponderExcluir